Destaques

Tinea Barbae: entenda a micose que acomete a barba

Por: Pedro Rocha e Antônio H. Roberti.

 

As doenças dermatológicas são causas comuns de busca ao atendimento médico no pronto-socorro, principalmente as infecções fúngicas – as conhecidas micoses. Em muitos casos, o paciente já buscou métodos alternativos para melhora dos sintomas, sendo que muitas vezes esses agravam o quadro clínico, o que impulsiona-o à procura médica. O The New England Journal of Medicine publicou um caso clínico como desafio o qual trouxemos para falar sobre ele aqui em nosso site. Tal caso era de um homem que iniciou há cerca de 1 semana um quadro de alopecia e pústulas em lábio superior e na região do sulco nasolabial. Observe a imagem abaixo:

As opções diagnósticas eram: tinea barbae, herpes simplex, eczema, micose fungóide e impetigo. Através das características da lesão , poderia concluir que a resposta certa era Tinea barbae. Você conhece? Essa doença geralmente ocorre pela infecção do agente Trichophynton mentagrophytes ou T. verrucosum na barba do homem, principalmente em face e pescoço, gerando alopecia e lesões eritematosas anulares superficiais, podendo se assemelhar com uma foliculite, principalmente quando se associa à uma inflamação do folículo piloso. Pode ocorrer devido a higiene precária, uso de produtos para barba contaminados, contato com animais e/ou contaminação em barbearia devido a reutilização de lâminas.

Os sintomas podem variar, podendo apresentar lesões eritematosas circulares em região da face onde a barba está presente, associado em muitos casos com pústulas que secretam pûs, prurido e alopecia. O diagnóstico é realizado através das características da lesão no exame clínico, mas o definitivo é pelo exame micológico com hidróxido de potássio, identificando o agente da lesão. Em alguns casos é realizada a biópsia, principalmente quando há dúvida entre a hipótese diagnóstica principal com os diagnósticos diferenciais.

Por fim, o tratamento da Tinea barbae é feito com o uso de antifúngicos orais, assim como o itraconazol e terbinafina, ambos via oral. Um outro fármaco muito utilizado nesses casos é a gliseofulvina micronizada, que apresenta bons resultados no tratamento. Caso as lesões estejam muito inflamadas, pode ser associado prednisona em um período de tempo curto (cerca de 2 semanas).
Existem medidas básicas de evitar a infecção por dermatófitos na barba, assim como: manter a barba seca, pois ela úmida torna propícia para o hospedeiro; trocar sempre as lâminas de barbear, principalmente na barbearia, para evitar a contaminação dessa e de outras doenças; utilize apenas produtos de qualidade na sua fabricação e que apresentam eficiência na barba, assim como os “óleos” ou “balm”, pois produtos caseiros podem estar contaminados; higiene da barba, buscando mantê-la sempre limpa.

RECOMENDAMOS A LEITURA
FURLAN, Karina Colossi et al . Sycosiform tinea barbae caused by trichophyton rubrum and its association with autoinoculation. An. Bras. Dermatol., Rio de Janeiro , v. 92, n. 1, p. 160-161, Feb. 2017 .